ALGODÃO ORGÂNICO NO BRASIL: SUSTENTABILIDADE E PERSPECTIVAS PRODUTIVAS

Larissa Duarte, Julia Baruque-Ramos, Lais Kohan, Luciano Pinheiro

Resumo


O Brasil é o 5o maior produtor e 3o maior exportador de algodão convencional do mundo. O país possui um grande potencial agrícola, favorável para desenvolver o cultivo e a produção de algodão orgânico, devido a condições climáticas ideais e qualidade do solo, que podem possibilitar o plantio em diferentes regiões. Há também crescente demanda de mercado para o algodão orgânico no mercado nacional e internacional. O objetivo deste estudo é apresentar as perspectivas da produção de algodão orgânico no Brasil sob o ponto de vista da sustentabilidade e de potencial produtivo, o qual é de interesse para o setor têxtil. A cultura orgânica de algodão pode ser utilizada para manter e recuperar a qualidade nutricional do solo, de modo a elevar a produção local. Os principais estados produtores de algodão orgânico no Brasil são Paraíba, Ceará, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte. O sistema é sustentável, pois é realizado em pequenas propriedades, com fixação do homem no campo e sendo bem remunerado. Ainda podem haver outras formas de cultivo, que sejam economicamente mais viáveis e eficientes, como é o caso da Agricultura Sintrópica. No entanto, o algodão orgânico poderia ter mais visibilidade se organizasse e ampliasse a produção para atender as demandas do mercado. Assim é importante compreender os benefícios do algodão orgânico, as formas e regiões de cultivo, os números de produção e a utilização no mercado, para incentivar sua comercialização a nível nacional e internacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL E DE CONFECÇÃO (ABIT) e CONFEDERACÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Têxtil e Confecção: Inovar, Desenvolver e Sustentar - Encontro da indústria para a sustentabilidade. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável I. Título II. Série CDU: 502.14 (063). Brasília, 2012, p. 74. Disponível em http://www.abit.org.br/adm/Arquivo/Servico/114256.pdf. Acesso em: 26 abr. 2018.

AGENDA GOTSCH. Agricultura Sintrópica: Universo de Conceitos. Disponível em: http://www.agendagotsch.com/agricultura-sintropica/. Acesso em: 18 jan. 2018.

CARDOSO, N. Algodão Agroecológico no Semiárido Brasileiro: da produção a comercialização. Dissertação (Mestrado em Agroecologia). Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 2017.

CEVHERI, I. e YILMAZ, A. Research on Investigation Characteristics of Cotton Varieties Produced Under Organic and Conventional Conditions. Agriculture & Forestry, Vol. 63 Issue 4. 2017, p. 75-82.

COTTON MARKET FUNDAMENTALS & PRICE OUTLOOK . Monthly Economic Letter. 2018. Disponível em: http://www.cottoninc.com/corporate/Market-Data/MonthlyEconomicLetter/. Acesso em: 10 abr. 2018.

DE CARLI, A. M.; MANFREDINI, M. Moda em sintonia. Caxias do Sul, RS: Educs, 2010. 164 p.

DONG HUA UNIVERSITY. Natural Textile Fibers – Vegetable Fibers. Textiles and Fashion - Materials, Design and Technology. The Textile Institute. Woodhead Publishing Series in Textiles: Number 126. 2015, p. 29-54.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA E AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). O Brasil poderá produzir algodão de fibra longa para fibras de luxo. 2015. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/3272256/brasil-podera-produzir-algodao-de-fibra-longa-para-tecidos-de-luxo. Acesso em: 24 jan. 2018.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA E AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Cadeia produtiva do algodão orgânico debate estratégias para aumentar a produção. 2017. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/28873222/cadeia-produtiva-do-algodao-organico-debate-estrategias-para-aumentar-producao. Acesso em: 24 jan. 2018.

FLETCHER, K. e GROSE, L. Moda e sustentabilidade design para mudança. Senac, Editora Senac. São Paulo, 2011.

LIMA, P.J. e SOUZA, M.C. Produção Brasileira de algodão orgânico e agroecológico em 2006. 2006. Disponível em: https://ciorganicos.com.br/wp-content/uploads/2013/09/algodao_agroecologico.pdf. Acesso em: 26 abril 2018.

OLIVEIRA, C. S. C.; OLIVEIRA-FILHO, E. C. Agricultura ecológica e indústria têxtil: o papel da comunicação para o algodão orgânico no Brasil. Universitas: Arquitetura e Comunicação Social, vol. 11, n. 1, 2014, p. 27-37.

ORGANIC TRADE ASSOCIATION. Organic Cotton Facts. 2013 and Preliminary 2014 U.S. Organic Cotton Production & Marketing Trends, Produced for Cotton Incorporated. 2015. Disponível em: https://ota.com/sites/default/files/indexed_files/OrganicCottonFacts2015_0.pdf. Acesso em: 29 abr. 2018.

TEXTILE EXCHANGE. Organic cotton market report: an in-depth look at a growing global market. Executive Summary, 6p. Spring. Texas, U.S. 2016. Disponível em: http://textileexchange.org/wp-content/uploads/2017/02/TE-Organic-Cotton-Market-Report-Oct2016.pdf. Acesso em: 22 jan. 2018.

TEXTILE EXCHANGE. Preferred Fiber and Materials Market Report 2017. Texas, USA, 2017. Disponível em https://textileexchange.org/downloads/2017-preferred-fiber-materials-market-report/. Acesso em: 31 jan. 2018.

UNIETHOS. Série de Estudo Setoriais: Sustentabilidade e competitividade na Cadeia de Moda. São Paulo, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.

Leia nossa última edição da revista!

http://www.contexmod.net.br/index.php/quinto/issue/current

Confira a Programação do evento.

http://www.contexmod.com.br/#fh5co-programacao